Catarata – Diagnóstico e Tratamento


Oque é catarata?

A catarata é uma doença caracterizada pela opacificação progressiva do cristalino. O cristalino é uma lente natural do olho, situada atrás da iris. Sua função é projetar uma imagem nítida na retina que é a “tela” onde as imagens são formadas e transmitidas ao cérebro. Com a perda progressiva da transparência do cristalino, impedindo que os raios de luz o atravessem e alcancem a retina, a pessoa inicialmente percebe uma visão embassada. Com a evolução do quadro, que leva à opacificação total do cristalino, a pessoa acometida pode enxergar apenas vultos.

A Catarata atinge quase metade (46,2%) da população mundial com mais de 65 anos. A OMS (Organização Mundial da Saúde) estima que no mundo 160 milhões de pessoas tenham a doença. No Brasil são 2 milhões de pessoas afetadas e surgem 120 mil novos casos a cada ano.

Quais as causas?

A principal causa da catarata é o processo natural de envelhecimento, que faz com que o cristalino perca gradativamente sua transparência durante a vida. Entre os fatores de risco que aceleram o seu aparecimento, estão os maus hábitos alimentares e o stress da vida moderna que induzem ao acúmulo de oxidantes, além da excessiva exposição à radiação ultravioleta emitida pelo sol. Para se ter uma idéia, o risco de surgir a catarata aumenta em 60% para quem não protege os olhos do sol. Apesar da catarata fazer parte do envelhecimento natural, devemos diminuir a exposição aos fatores de risco para retardar o seu aparecimento.

Embora o problema apareça geralmente em pessoas com mais idade, há casos de crianças que já nascem com a doença (geralmente filhos de mães que tiveram rubéola ou toxoplasmose no primeiro trimestre de gestação).

Outras causas de aparecimento precoce da catarata são o diabetes; o uso sistemático e sem indicação médica de medicamentos, especialmente dos que contêm corticóides; as inflamações intra-oculares e os traumas como socos ou batidas fortes na região dos olhos.

Como se faz o diagnóstico?

O diagnóstico de catarata é feito pelo oftalmologista que através de um exame de biomicroscopia verifica o grau de opacidade do cristalino.

 biomicroscopia

Constatada a catarata, deve-se verificar o grau de deficiência visual apresentado para que se discuta com o paciente o momento adequado de realizar o tratamento.

Como é o tratamento?

O tratamento da catarata é cirúrgico. Não existem tratamentos clínicos nem medicamentos que revertam o processo de opacificação do cristalino. O objetivo do tratamento – cirurgia – é substituir o cristalino opacificado por uma lente artificial que restabelecerá a função perdida.

Como é feita a cirurgia?

A técnica cirúrgica mais moderna para a retirada da catarata é a FACOEMULSIFICAÇÃO. Com este método, o cirurgião oftalmologista fragmenta a catarata com um aparelho de facoemulsificação que possui uma ponteira que emite vibrações em uma frequência ultrassônica. Ao mesmo tempo em que fragmenta a catarata, esta ponteira possui um orifício que aspira os fragmentos da catarata.

 Facoemulsificação

Após remover a catarata é necessário implantar uma lente no local onde foi removido o cristalino opaco. Esta lente irá substituir o cristalino, propiciando que as imagens sejam novamente formadas nítidas na retina.

     implante da lente

Riscos e complicações

Apesar de todo o avanço na técnica cirurgica da catarata e de todo o cuidado e habilidade do cirurgião, o paciente tem que ter em mente que, como todo ato cirúrgico, essa cirurgia não é banal e nem isenta de complicações.

O fato desta cirurgia ser realizada com o auxílio de equipamentos digitais, computadorizados e que são dotados da mais alta tecnologia não a eximem da possibilidade de complicações.

O olho humano é um orgão extremamente delicado e complicações como descolamento de retina, opacificação da córnea, aumento da pressão intra-ocular, inflamação e infecção ocular podem ocorrer, embora pouco freqüentes. Por este motivo, os cuidados pós operatórios são tão importantes quanto a cirurgia em si. É fundamental que o paciente seja disciplinado quanto ao uso dos medicamentos prescritos e ao comparecimento às consultas no pós operatório. Desta forma, qualquer complicação poderá ser rapidamente tratada, minimizando os riscos para a visão.

Recomendações

  • Não use colírios, especialmente os que contêm corticóides, sem recomendação médica e respeite o prazo determinado pelo médico para aplicação do medicamento;
  • Procure um oftalmologista imediatamente se notar qualquer inflamação ou sofrer algum trauma na região dos olhos;
  • Consulte também o oftalmologista sempre que notar alguma alteração visual. A evolução da catarata é lenta, pode ocorrer primeiro em um dos olhos e a pessoa vai se acostumando com a perda progressiva da visão;
  • Não tenha medo da cirurgia. Os resultados são animadores e, na maioria das vezes,  a recuperação é muito rápida.

Autor: Dr. Marco Antonio Kroeff

Deixe seu comentário via Facebook

comments



Voltar

Ou deixe seu comentário preenchendo o seguinte formulário:

Nome (obrigatório) Email (não será publicado) (obrigatório) Site Seu comentário

Assuntos em pauta

anel de ferrara astigmatismo catarata catarata lentes catarata ocular catarata tratamento ceratocone ceratocone cross link ceratocone lente de contato ceratocone tratamento cirurgia cirurgia miopia cirurgia refrativa colírio conjuntivite cross link crosslink crosslinking cross linking cura Córnea excimer laser femto second femtosegundo fotofobia hipermetropia laser lasik lente de contato lentes de contato marco antonio kroeff miopia oftalmo oftalmologia oftalmologista olhos olho vermelho porto alegre PRK proteção solar pterígio saúde ocular transplante de córnea tratamento óculos de sol