Cirurgia Refrativa – quando é possível reoperar?


Tenho visto muitos pacientes que foram submetidos a cirugia refrativa, que ficaram com grau residual ou que tiveram aumento do grau após algum tempo, com dúvidas sobre a possibilidade de reoperação. A reoperação é uma possibilidade, mas deve obedecer alguns critérios.

Em primeiro lugar a córnea deve possuir espessura suficiente para que se possa fazer nova correção. Ao corrigirmos o grau com o excimer laser, afinamos a córnea. Quanto maior o grau, maior o afinamento. Existe um limite de espessura que não deve ser ultrapassado para que se mantenha a biomecânica natural da córnea. Portanto, para uma reoperação precisa-se avaliar a espessura da córnea operada e o novo grau a ser corrigido para verificarmos a possibilidade de nova correção.

Deve-se considerar a técnica com a qual foi realizada a primeira cirurgia. Se a técnica utilizada foi o LASIK, pode-se apenas levantar o flap feito na primeira cirurgia e fazer a nova aplicação do laser sem necessidade de novo corte. Eventualmente, caso a cirurgia seja muito antiga, o cirurgião pode considerar a possibilidade de fazer novo flap. É importante lembrar que os flaps para o LASIK podem atualmente ser feitos com o Femto Second Laser, sem necessidade de corte com lâmina. Caso a técnica da primeira cirurgia tenha sido o PRK, onde não é feito o flap e o laser é aplicado diretamente na superfície da córnea, deve-se, ao reoperar, observar que estes casos tem maior tendência a fazer um tipo de cicatrização chamado HAZE, em que a transparência da córnea pode ser afetada. Nestes casos, em reoperações após PRK, deve-se utilizar uma substância chamada mitimicina durante a cirurgia para evitar a formação do haze.

A reoperação refrativa é uma possibilidade e normalmente apresenta excelentes resultados. Mas, para isso, é preciso uma avaliação pré operatória tão ou mais criteriosa do que a realizada na primeira cirurgia.

Dr Marco Antonio Kroeff

Deixe seu comentário via Facebook

comments



Voltar

Ou deixe seu comentário preenchendo o seguinte formulário:

Nome (obrigatório) Email (não será publicado) (obrigatório) Site Seu comentário

429 comentários para “Cirurgia Refrativa – quando é possível reoperar?”

  1. MARCOS FRANÇA DE CORREIN disse:

    Boa tarde Dr. Marco Antonio, gostaria de tirar uma grande duvida sobre minha cirurgia refrativa PRK, realizei a mesma fazem cinco anos, tive de fazer retoque uma semana após a primeira cirurgia, pois não havia zerado o grau de miopia e astigmatismo, ficou perfeita minha visão por três anos, mas a partir do quarto ano, passei a acordar de madrugada com o olho esquerdo lacrimejando muito e sem parar, após esses sintomas a visão desde então piorou um pouco durante o dia e bastante durante a noite, não consigo ler placas ou informações em restaurantes a três metros de distancia de mim, durante o dia muitas vezes ela fica embaçada, turva, fiz essa cirurgia na época por conta de um concurso publico, e agora farei outro exame medico dentro de dois meses e meio, você poderia com sua experiência me dizer se isso e normal ? ou pelo os relatos pode o grau ter voltado? o Sr. acha que dentro de dois meses e meio eu posso fazer outra cirurgia caso seja necessário para o exame do concurso?
    Desde já grato.

    • Marcos. Precisaria examiná-lo para poder opinar. De qualquer forma uma queixa de lacrimejamento que começou três anos após a cirurgia é pouco provável que tenha relação com o procedimento cirúrgico. Quanto à piora da visão há muitas possibilidades. Consulte seu médico para verificar a causa das suas queixas e discutir as possibilidades de tratamento.
      Um abraço
      Dr. Marco Antonio Kroeff

  2. alysson tosin disse:

    fiz cirurgia prk para correção de 4 graus de astigmatismo no olho direito e 3,5 no esquerdo.
    na consulta prévia o médico me disse que seria lasik mas minutos antes da cirurgia disse que, vendo novamente os exames no equipamento do centro cirúrgico, achou melhor fazer a prk, argumentando que a espessura da minha córnea estava muito próxima do nível de segurança. Disse que minha córnea estava 39,4 e o nível de segurança é 40, se não me engano. Achei muito estranha essa mudança bem na hora da cirurgia. 5 dias depois retirou a lente, me disse que a cicatrização estava muito boa e que gradativamente a visão iria melhorar. Disse ainda que eu estava com 1,75 de astigmatismo mas que a tendência era continuar diminuindo. Hoje faz 40 dias da cirurgia. Continuo vendo embaçado, principalmente de longe. De perto, em alguns momentos do dia, a visão fica muito boa, mas ainda oscila muito. É normal este tipo de situação ou em 40 dias a visão já poderia estar perfeita? Esta mudança de lasik para prk não poderia ser analisada com antecedência ou somente no instante da cirurgia?

    • Alysson. Não costumo medir o grau com 40 dias de cirurgia quando a técnica é o PRK. Se sua visão ainda oscila é porque sua cicatrização epitelial ainda não está 100%. E neste caso a medida do grau ainda não é precisa. Consulte seu médico para verificar como está seu processo de cicatrização e regularização da superfície corneana.
      Um abraço
      Dr. Marco Antonio Kroeff

  3. Jean Leonardo Bagini disse:

    Bom dia Dr.

    Fiz a cirurgia a Laser para correção da Miopia, tinha 2,5 no esquerdo e 2,8 no direito.
    E corrigiu totalmente meu grau.

    Hoje, após 3 anos da mesma fiz um novo exame, pois percebi que com o tempo estava piorando novamente, e deu que consta 1 grau em cada olho, porém em dias ensolarados ou em ambientes claros ( geralmente de manhã ) enxergo tudo 100% , porém conforme vai ficando escuro minha visão vai piorando, chegando acredito eu a bem mais que 1 grau de miopia( Obs.: trabalho o dia todo na frente do computador), mas mesmo em finais de semana após às 16hrs geralmente começa a embaçar . O medico no dia não deu muita bola, mas para mim isso não é normal. Gostaria de saber se é possível o retoque? e se esse procedimento chega a ser o mesmo valor da cirurgia normal.

    • Jean. É preciso verificar exatamente com que grau você está e se está estabilizado. Na maioria das vezes é possível fazer uma nova correção. Mas é necessário fazer uma avaliação para avaliar se é possível fazer isso em segurança.
      Um abraço
      Dr. Marco Antonio Kroeff

  4. Fabiano disse:

    Parabéns pelo site, é ótimo e esclarecedor.

    Dr, fiz PRK personalizada (evitar aberrações) há 4 meses. Tinha 1,50 grau de miopia e 0,50 astigmatismo. tenho 39 anos.

    Não tive nenhum problema com o pos operatório.

    Mas Infelizmente, meu médico disse q fiquei com 0,50 de hipermetropia, uma tal de hipercorreção.

    Eu sinto dores de cabeça ao usar o computador nas leituras. Do mais minha vista ésta muito boa.

    Reclamei para ele sobre estas dores, e ele recomendou usar óculos para eu trabalhar, lentes com bloqueios de raio azul….

    Ou então um retoque para corrigir o residual.

    O que o sr. recomenda? Eu as vezes penso em corrigir mas tenho medo de piorar, dar haze, opacidade, glare e demais coisas.

    Mas ao mesmo tempo tem o negocio que logo terei presbiopia, e junto com a hipermetropia, seria chato minha visão.

    Ainda não sei o que fazer.

    Obrigado.

    • Fabiano. Este grau que você mencionou é nos dois olhos? Na sua idade, prestes a começar a presbiopia, que baixa visão para perto, eu teria corrigido o grau total no olho dominante e teria programado um resíduo de miopia de 1,00 a 1,25 no olho não dominante. Isso lhe daria uma boa independência dos óculos para longe e perto por vários anos. A cirurgia personalizada para corrigir aberrações de alta ordem eu só indico se as aberrações são realmente muito importantes ( o que na maioria dos casos não é). Isso porque a personalização para correção destas aberrações geralmente causa hipercorreção. E hipercorreção na sua idade é muito desconfortável pois causa dores de cabeça e acelera a piora da visão de perto.
      Um abraço
      Dr. marco Antonio Kroeff

      • Fabiano disse:

        Dr. Bom dia.,

        Agradeço demais pela sua atenção.

        Tanto o grau anterior (miopia/astigmatismo) como o após a cirurgia (0,50 de hipermetropia) são nos dois olhos.

        O médico daqui é conceituado, não entendo o que aconteceu para não ser didático e explicar detalhado igual a sua pessoa o que poderia gerar a cirurgia e o que já poderia ser premeditado para resolver.

        Ele tentou corrigir as aberrações de alta ordem, eu reclamava muito de dirigir a noite. Fiz wavefront e deu o RMS de 0,95, e ele disse que o normal é até no máximo 0,30. E ao mesmo tempo aproveitou para zerar todo meu grau de miopia/astigmatismo.

        Sinceramente não estou satisfeito. Minha visão de longe está muito boa, dentro de ambientes fechados melhorou, mas os glares/halos ainda permanecem de maneira mais branda. Mas perdi minha boa visão de perto.

        Mas estou inseguro em fazer uma nova cirurgia, para tentar corrigir e não ter que usar óculos para leitura.

        Pois tenho medo de novas aberrações e glare, HAZE, etc. E também com receio da outra hipercorreção, e inferferir alguma coisa no futuro, por causa de repetir a raspagem do epitélio???

        Esta situação exposta pelo Dr da hipercorreção na cirurgia personalizada, foi justamente o que ocorreu, eu sai da miopia e fui para hipermetropia. O que nunca tive na vida, diga-se, e acho que isso me da esta dores de cabeça diária.

        Minha cabeça dói principalmente nas leituras, mas tenho percebido que mesmo quando não estou lendo eu sinto um incomodo na cabeça em cima dos olhos.

        Enfim Dr., neste meu caso, ante as expectivas não serem mais tão grandes, quanto antes:

        a) seria melhor acostumar-me com os óculos para leitura, sabendo que num futuro próximo ainda terei a presbiopia para piora da minha visão de perto, mas não correria riscos da nova cirurgia.

        b) ou dentro das condições da realização da cirurgia residual, verificar com o médico a questão da monovisão, para evitar o uso dos óculos por alguns anos.

        c) hoje estou com 140 dias da cirurgia (PRK), a quase 5meses, existe alguma remota hipótese de alteração do grau? um luz que esta hipermetropia regrida.

        Agradeço muito sua atenção, é muito singular e louvável esta tua atitude.

        • Fabiano. O que eu poderia opinar já opinei. Sem examiná-lo não tenho como sugerir nada. De qualquer modo eu não gosto de retoques em PRK com menos de 6 meses de pós operatório. E também não há pressa para tomada de decisão. Você pode ir acompanhando e juntamente com seu médico tomar uma decisão no futuro próximo.
          Um abraço
          Dr. Marco Antonio kroeff

  5. Maria Vitoria disse:

    Olá doutor, hoje fazem 19 dias que minha mãe e eu fizemos a cirurgia refrativa prk. No meu caso, para miopia e astigmatismo e no caso da minha mãe para correção da hipermetropia. Em uma semana eu já estava enxergando bem e a médica já disse que meu grau zerou. Porém minha mãe ainda vê tudo embaçado. Como fizemos no mesmo dia e tivemos o mesmo cuidado pós operatório ficamos bem preocupadas. Enfim, a médica disse que no meu caso o epitélio se regenera mais rápido e no caso da hipermetropia ele demora mais para a total cicatrização. Além disso, eu pude tirar as lentes com cinco dias, nesse mesmo dia ela retirou as dela porém a médica pediu para colocar lentes novas para dali uma semana retirar por definitivo. Acredito que minha mãe estava com falta de vitamina A, pois a médica receitou para ver se ocorre mais rápido a reepitelizacao. Vale ressaltar que um olho foi operado para perto e outro para longe. O de perto consegue uma visão menos embaçada, enquanto o para longe tem sido a tortura da minha mãe, pois ela não consegue nenhuma melhora. O que o senhor acha que possa ter acontecido? Já procurei na internet e não achei nenhum caso parecido. Minha mãe está enlouquecida pois acha que não vai voltar a enxergar com nitidez mais, já que se passaram muitos dias. Além disso, li sobre cicatriz na córnea, será que a cicatrização dela ficou irregular e por isso está causando esse transtorno? Dizem que o epitélio se recupera muito rápido, e o dela em todas as vezes que fomos no oftalmo, ainda não está regenerado. Se puder me esclarecer e ajudar a tranquilizar minha mãe, agradeço desde já.

    • Maria Vitória. Eu não gosto de fazer PRK para correção de hipermetropia. Os resultados não são tão bons como quando fazemos PRK para corrigir miopia. A cicatrização do epitélio (camada superficial de células da córnea) tende a alterar um pouco o resultado da cirurgia. E se sua mãe teve um retardo na cicatrização, o epitélio pode demorar mais para regularizar e atingir a correção esperada. Normalmente esses problemas são resolvíveis, mas não tenho como opinar mais sem tê-la examinado.
      Um abraço
      Dr. Marco Antonio kroeff

  6. Ana Paula disse:

    Boa tarde.
    Tenho miopia e astigmatismo nos dois olhos e o meu grau é entorno de 6. Estou pensando em fazer a cirurgia, mas ao ler sobre as moscas volantes aqui, percebi que pode acontecer de aumentar a quantidade desses pontinhos pretos após a cirurgia. Então quer dizer que, se eu já tenho moscas voltantes, não seria recomendável a cirurgia ou teria alguma forma de durante a cirurgia, ser retirados esses pedacinhos de vítreo que já existem?

    • Ana. Acho que esse assunto de moscas volantes é hipervalorizado. Moscas volantes são discretas opacidades no vítreo (gel interno que preenche a cavidade posterior do olho). Todas as pessoas vão desenvolver moscas volantes ao longo da vida devido a degeneração natural do vítreo. Míopes desenvolvem isso antes pois tendem a ter um descolamento precoce do vítreo. A cirurgia refrativa pela técnica PRK não exerce NENHUMA influencia na formação de moscas volantes. A técnica Lasik, por causar compressão e descompressão do olho no momento de confecção do flap, pode, naqueles pacientes míopes que já tem propensão a descolar o vítreo, acelerar este processo e causar um aumento das moscas volantes. No entanto o paciente as teria de qualquer forma. Outra coisa importante é que as moscas volantes não baixam a acuidade visual. Mas se a pessoa ficar prestando a atenção nelas irá vê-las. Eu mesmo sou operado, tenho moscas volantes desde antes da cirurgia e não me incomodam em nada. E não é possível retirar as moscas volantes durante a cirurgia pois a cirurgia é feita na córnea e as moscas volantes são no vítreo que fica dentro do olho.
      Um abraço
      Dr. Marco Antonio kroeff

  7. Bruno Celio Egídio de Souza disse:

    Boa tarde Dr. Marco Antonio, fiz a cirurgia PRK a 3 meses somente no olho direito. Tinha 3,5 graus para longe estou hoje com 2,5 à 3,0 graus. Confesso que melhorou um pouco minha visão desde a cirurgia porém está longe de ser o que eu esperava. A recuperação pode ser demorada ou ainda está recente 3 meses de cirurgia para ter uma ideia do resultado?

    Um abraço.

    • Bruno, não entendi. Você tinha 3,50 graus e agora está com 2,50-3,00? Então praticamente nada foi corrigido. Isso não é normal. A cirurgia tem potencial de corrigir todo o seu grau.
      Um abraço
      Dr. Marco Antonio kroeff

  8. consuelo disse:

    Operei miopia em final de junho e não estou tendo visão nítida com o olho direito e estou forçando o esquerdo.
    Eu para ler enxergava de perto muito bem, tela de celular, me maquiar…e agora não enxergo de perto nada , fica embassado, parece até que fico “vesga”…
    Ele falou que é pela minha idade 48 anos,mas porque não me avisou disso antes de operar e quer fazer o retoque,acha que terei sucesso?
    Agradeço se me responder.

    • Consuelo. Todas as pessoas após os 40 anos começam a desenvolver dificuldade de enxergar de perto (presbiopia). O míope, sem óculos enxerga de perto, mas ao corrigir a miopia, aos 48 anos, vai ter dificuldade para perto como qualquer outra pessoa. Isso deve ser sempre explicado ao paciente. Eu, de rotina, deixo o olho não dominante com resíduo de miopia para que o paciente tenha independência dos óculos para longe e perto.
      Um abraço
      Dr. Marco Antonio kroeff

Assuntos em pauta

anel de ferrara astigmatismo catarata catarata lentes catarata ocular catarata tratamento ceratocone ceratocone cross link ceratocone lente de contato ceratocone tratamento cirurgia cirurgia miopia cirurgia refrativa colírio conjuntivite cross link crosslink crosslinking cross linking cura Córnea excimer laser femto second femtosegundo fotofobia hipermetropia laser lasik lente de contato lentes de contato marco antonio kroeff miopia oftalmo oftalmologia oftalmologista olhos olho vermelho porto alegre PRK proteção solar pterígio saúde ocular transplante de córnea tratamento óculos de sol